Paciente com Aids sofre mais por questões psicológicas do que com ação do HIV

Data de criação 01/12/2009

Fonte das fotos: UOL Ciência e Saúde, em 1º/12/2009

Do UOL Ciência e Saúde
Um estudo realizado com pessoas em tratamento contra Aids no Brasil mostra que os soropositivos sofrem mais com problemas relacionados a interação social do que com a ação do vírus no organismo. Os números fazem parte da pesquisa “Percepção da qualidade de vida e do desempenho do sistema de saúde entre pacientes em terapia antirretroviral no Brasil”, divulgada nesta terça-feira (1º), Dia Mundial de Luta Contra Aids.
A pesquisa, realizada pela Fundação Oswaldo Cruz em 2008 com 1.260 pessoas, indica que 65% dos pacientes avaliam seu estado de saúde como bom ou ótimo, número que supera o da população geral, que é de 55%. Em relação a portadores de outras doenças crônicas, o contraste é ainda maior, já que só 27% delas classificam sua saúde como boa ou ótima.

Mosaico do fotógrafo e artista plástico 
Vik Muniz; três obras sobre o  tema 
deste Dia Mundial de Luta Contra Aids

foram doadas ao Masp

No entanto, quem está em tratamento com o coquetel anti-Aids sofre mais com problemas psicológicos. Entre as soropositivas, 33% afirmam ter grau intenso ou muito intenso de tristeza ou depressão e, 47%, grau intenso ou muito intenso de preocupação e/ou ansiedade. Entre os homens, o índice é um pouco menor: 23% e 34%, respectivamente. Na população geral, apenas 15% da população relata um grau intenso ou muito intenso de tristeza ou depressão. E a ansiedade é queixa de 23% das pessoas.

Preconceito
“Concordo com a pesquisa. A ação do vírus é totalmente controlada pelo coquetel. Agora, a interação social é bem mais complexa e envolve uma série de coisas. A maioria dos soropositivos prefere não contar que tem o HIV, porque o preconceito é muito forte e existe de forma dissimulada”, testemunha Samir Thomaz, autor do livro “Te Espero o Tempo que For” (Ed. Brasiliense),  livro que retrata o amor entre um soropositivo e uma pessoa sem o vírus.

 A análise das entrevistas também mostra que os pacientes de Aids tem um nível de educação superior ao da média da população brasileira. Apesar disso, a distribuição de renda é semelhante. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-2006), cerca de 67% da população brasileira, com 18 anos ou mais, tem rendimento mensal menor que dois salários mínimos, proporção semelhante à encontrada entre os pacientes de Aids (69%).

O estudo revela que ainda existe muito preconceito e discriminação em relação ao HIV, já que mais de 20% dos entrevistados relataram ter perdido o emprego após o diagnóstico. Na ocasião da pesquisa, 58% dos soropositivos não estavam trabalhando (55% entre os homens e 62% entre as mulheres).

 Entre os pacientes homens, aposentadoria por doença (31,3%), incapacidade (14,7%), e recebimento de auxílio doença (24,6%) foram os principais motivos alegados para não estarem trabalhando. Entre as mulheres, 28% são donas de casa, 15,4% são aposentadas pela doença, 11% relataram incapacidade para o trabalho, e 15,4% recebem auxílio doença.

 

Influências
Os pesquisadores que conduziram o estudo desenvolveram um modelo estatístico para verificar os principais fatores associados à autoavaliação do estado de saúde como excelente ou boa. Fatores sociais como escolaridade e renda impactam positivamente. Por outro lado, estar aposentado por motivo de doença, incapacitado para o trabalho ou recebendo auxílio doença diminui em 55% a chance de ter boa autoavaliação do estado de saúde.

A presença de sintomas da doença também reduz em 40% a chance de autoavaliação positiva. Ter iniciado o tratamento a partir de 2007 também é um fator negativo, provavelmente porque esses pacientes ainda não recuperaram seu sistema imunológico devido ao pouco tempo de tratamento e ainda estejam sofrendo com os efeitos colaterais do início do tratamento e do diagnóstico recente.

Perdas e ganhos
A pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz também avaliou os ganhos e perdas dos soropositivos após o diagnóstico. Entre os entrevistados, 43,5% informaram que depois da descoberta da doença passaram a ter melhor assistência à saúde e 18,6% afirmaram ter mais suporte social. Entre as perdas, a mencionada pelo maior número de pessoas foi a piora das condições financeiras (36,5%), seguida da aparência física (33,7%).

Os resultados da pesquisa são representativos de toda a população em tratamento antirretroviral, atualmente estimado em cerca de 200 mil pessoas.

PERDAS APÓS O DIAGNÓSTICO
Piora nas condições financeiras 36,5%
Piora na aparência física 33,7%
Discriminação social 20,9%
Perda do emprego 20,6%
Falta de suporte familiar 16,2%
Discriminação pelos amigos 15,9%
Perda da independência 15,2%

Campanha
 
A divulgação do estudo coincide com o lançamento, pelo Ministério da Saúde, da campanha “Viver com Aids é possível. Com o preconceito não”. No site elaborado para a ocasião, é possível deixar mensagens, fotos e vídeos sobre o tema.

GANHOS APÓS O DIAGNÓSTICO
Maior suporte social 18,6%
Melhor assistência de saúde 43,5%
Envolvimento com organizações civis e sociais 10,4%
Sentimento de ser especial 17,6%
Nenhum 38,0%

A campanha também contou com a participação do artista plástico paulista Vik Muniz, radicado em Nova York, que produziu três obras de arte inspiradas no combate ao preconceito aos soropositivos. Os quadros foram doados ao Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Fonte da matéria: UOL Ciência e Saúde, em 1º/12/2009



Atualizada em: 01/12/2009

Eventos em Destaque

Reunião Clinica de Atualização – SBEM-SP no Sábado Tema: Conversando sobre Menopausa

Reunião Clinica de Atualização – SBEM-SP no Sábado 2017

Data: 28 de outubro de 2017

Tema: Conversando sobre Menopausa

I Encontro de Endocrinologia clínica de Sorocaba e Região

Data: 21/10/17

Horário: das 8:30 às 14 horas

Local: restaurante La Doc - Sorocaba , SP

II Simpósio Interdisciplinar do Departamento de Clínica Médica da FMUSP - SICLIM 2017

Data: 01 e 02 de setembro de 2017

Local: Centro de Convenções Rebouças

Av. Rebouças, 600 – Pinheiros, São Paulo – SP